Skip navigation (Press enter)

Sem segundas chances no México e o 'grupo da morte', mas a Team Liquid está pronta para vingar a derrota no SI, diz Paluh

O Brasil pode ter garantido o Top 3 no Invitational, mas a Team Liquid não estará contente até chegarem ao topo mais uma vez.

Sem segundas chances no México e o 'grupo da morte', mas a Team Liquid está pronta para vingar a derrota no SI, diz Paluh

A Team Liquid tem perdido um pouco mais do que eles gostariam recentemente. Na recém finalizada Copa Elite Six, a Team Liquid terminou em terceiro lugar. Antes disso, no Six Invitational 2021, eles terminaram em segundo lugar. Um doloroso segundo lugar.

E existe uma grande semelhança entre essas duas derrotas -- contra quem foram as partidas.

“Nós tínhamos a nossa maior rivalidade com a FaZe, mas ela meio que...” se perde Luccas “Paluh” Molina, procurando palavras para descrever a situação atual da rivalidade Liquid-FaZe. “Ainda existe[...] algum (trash talk) vindo deles no Twitter… mas eu acho que estamos construindo uma rivalidade maior com a NiP. Tiveram (alguns) jogos em sequência que nós perdemos para eles e nós queremos vingança.”

A Ninjas in Pyjamas vence a Team Liquid na Grande Final do Six Invitational 2021 (Foto: Ubisoft/Kirill B.)

Aquela derrota no Six Invitational 2021 doeu mais por dois motivos além de ser uma disputa de título perdida; a Team Liquid conseguiu se recuperar após estarem perdendo por dois mapas e empatar em 2-2 e também quis dizer que a Ninjas in Pyjamas (NiP) -- não a Liquid -- foi o primeiro time da América Latina a serem Campeões Mundiais em um Invitational.

“A maioria dos nossos jogos foram por muito pouco, alguns rounds muito apertados decidiram as partidas,” lembra Paluh. “No passado tivemos muitos treinos contra o estilo de jogo (deles), mas nós meio que perdemos (as soluções) para counterar eles. Mas nós estamos tentando melhorar isso… Estamos fazendo de tudo para arrumar isso.”

Para chegar em um ponto para enfrentar a NiP, no entanto, a Liquid precisa antes passar no seu grupo. Enquanto essa afirmação pode parecer absurda à primeira vista, parece menos absurda quando você percebe que além da Liquid, que é a segunda colocada no Ranking do SiegeGG, o Grupo D tem a terceira colocada TSM FTX e a quarta colocada Team Empire. E ainda tem uma das maiores surpresas do torneio: a Invictus Gaming da APAC.

No Six Invitational 2020, em uma memória distante pré-COVID, foi exatamente o que aconteceu com a Team Liquid. Na ocasião, junto com a Giants Gaming (atual Invictus), a Team Liquid foi eliminada em um grupo que tinha a NiP e a MIBR, com seus jogadores ficando devastados após uma derrota de domínio completo da MIBR por 2-0 que mandou a Liquid pra casa.

“Eu não acho que nós temos, tipo, medo, mas nós realmente temos que nos preparar bem,” diz Paluh sobre o Grupo. “Eles são oponentes muito fortes [...] a TSM vai provavelmente ser uma das mais difíceis de se bater, eles têm jogadores muito bons como o Beaulo e o Merc.”

#1 Player of Year 5: Paluh

Mas a Liquid tem Paluh e André “Nesk” Oliveira. Paluh é surpreendentemente muito modesto em relação às performances incríveis da dupla, mesmo após os dois terem sido coroados como o melhor e o terceiro melhor jogadores do Ano 5, respectivamente, pelo SiegeGG. Sua contribuição incluiu 10.41 kills por mapa e um split de K-D de +408, enquanto o Nesk teve 9.82 kills por mapa e 187 opening kills no Ano 5.

Isso não significa que a Liquid só é agressiva, no entanto, avisa Paluh.

“Quando você está tentando limpar os utilitários, às vezes você tem uma abertura -- quando você vai jogar uma flashbang, por exemplo, tem um momento que alguém pode dar a cara para você. Na maioria das vezes, os brasileiros vão dar a cara pra você,” ele explica. “Mas você tem que balancear essa agressão e você não pode dar a cara para tudo. Quando você é muito agressivo e todo mundo sabe disso, fica meio previsível. Vai funcionar algumas vezes mas não é o melhor (para ter consistência). ”

Apesar dessa filosofia, consistência vem sendo algo complicado para a Team Liquid.

Mesmo na campanha que os levaram para a Grande Final do Six Invitational 2021, eles chegaram pela chave dos perdedores. No Six Invitational 2020, a Liquid não conseguiu nem sair dos grupos logo após eles terem vencido o OGA PIT Minor contra fortes oponentes. E até mais recentemente, a Liquid terminou apenas em terceiro na Copa Elite Six apesar de estarem no topo da tabela do Segundo Turno do BR6.

SMM2021 Bracket EVENTGUIDE

Mas no México, não haverá segundas chances nos playoffs. Para vencer, a Liquid terá que estar em sua melhor forma em todos os jogos.

“Nós estamos trabalhando nisso (consistência). Às vezes nós ficamos meio que… perdidos? E precisamos levar um ‘soco na cara’ para acordar, sabe,” disse Paluh. A Liquid, ele revela, muitas vezes precisa de ‘um susto’ em forma de uma quase derrota ou uma derrota para manter o foco. “No México, nós não teremos, mas estamos trabalhando nisso com o nosso psicólogo.”

E esse trabalho, aponta Paluh, ajudou a fazer da pressão algo que não interfere no time. “Nós jogamos muitas partidas decisivas e não estivemos pressionados. Nós temos que apenas fazer aquilo que trabalhamos.”

Uma das coisas que a Team Liquid certamente continuou trabalhando foi em maximizar as kills que Nesk e Paluh provém. Mas apesar das estatísticas deles serem impressionantes o suficiente, o Paluh parece ser um tipo especial de super humano se o Invitational deste ano for indicativo de alguma coisa.

No começo dos playoffs do Six Invitational 2021, ele recebeu a notícia que o seu pai de 96 anos estava hospitalizado com fortes dores. Apesar de seu pai o ter consolado no telefone dizendo que estava se sentindo melhor e que sua condição estava melhorando, ele estava apenas disfarçando para que seu filho não sofresse e não impactasse o seu estado mental e sua performance.

Mas apenas dois dias depois, logo após a Team Liquid celebrar uma vitória maiúscula contra a FaZe Clan, Paluh recebeu a devastadora notícia de que seu pai havia falecido. 

“Depois daquele jogo, quando eu recebi a notícia, eu comecei a chorar,” ele compartilha. “Eu dormi… talvez meia hora durante a noite. Mas toda a minha família me ligou, conversaram comigo… Perguntaram o que eles podiam fazer, eu tive até a possibilidade de viajar (de volta pra casa) no dia seguinte, mas eu sabia que ele não iria querer isso.”

“Ele foi o motivo de eu começar a competir,” lembra Paluh. “Mesmo ele não entendendo o que eu fazia, ele sempre me apoiou. Ele viu que eu realmente queria (competir) e ele me deu a chance de fazer isso, de sair de casa e ir para a BootKamp Gaming  na gaming house.”

Dessa forma, Paluh ainda subiu no palco no dia seguinte contra a TSM.

“Eu dei o meu melhor, mas a minha mente estava (dispersa),” ele revela. “Eu estava tentando focar na partida, mas às vezes os pensamentos vinham e era muito difícil. Mas eu fiz o melhor que eu pude.”

E foi ali que a sua ‘segunda família’, os seus companheiros da Team Liquid se uniram ao seu redor. 

“Eles fizeram de tudo. Eles disseram que se eu precisasse de qualquer coisa, eles estariam ali para me ajudar. Eles conversaram bastante comigo e me ajudaram”, compartilhou Paluh. “Muita coisa ruim acontece ao nosso redor, nós apenas temos que ser uma família.”

Mas, a Team Liquid vai vencer esse título no México?

“É claro,” diz Paluh, antes de se desligar de noite para recarregar as energias antes de mais um dia de muito treino.

Veja a Team Liquid em ação no Six Major México contra a TSM FTX, que será transmitida nos canais oficiais do Rainbow6BR na Twitch no dia 16 de Agosto às 13h horário oficial de Brasília.