Skip navigation (Press enter)

Depois de uma perda pessoal trágica, Paluh ainda foi ao palco... e venceu

Poucas pessoas possuem a força mental do Paluh, ele manteve a cabeça erguida pela Team Liquid mesmo após perder seu pai há dois dias atrás,

Depois de uma perda pessoal trágica, Paluh ainda foi ao palco... e venceu

Luccas "Paluh" Molina é uma das poucas pessoas ao redor do mundo que possuem uma força mental que só pode ser descrita como super humana. 

 A sua primeira partida competitiva foi com a pouco conhecida Guardians Imperium, a qual ele se juntou em fevereiro de 2018. Ele então iria para a BootKamp Gaming, estreando na ESL Pro League contra o seu futuro time da Team Liquid.

Ao longo de três anos, Paluh tornou-se uma força inimaginável e é atualmente um dos melhores jogadores do mundo.

Ele detém o recorde de maior número de kills em LAN de todos os tempos em um único mapa e vem sendo letal até aqui no Six Invitational 2021. Até aqui, ele lidera as estatísticas em termos de rating e clutches, está atrás apenas de seu companheiro em K-D, está empatado em segundo lugar em termos de KOST e ontem se tornou o primeiro jogador a garantir 200 eliminações em um Six Invitational.

Tristemente, suas performances meteóricas não vieram sem muita dor fora do jogo.

No começo dos playoffs do Six Invitational 2021 na quarta, ele recebeu a notícia que seu pai de 96 anos de idade havia sido hospitalizado devido a fortes dores.

Enquanto seu pai confortou Paluh por telefone dizendo que se sentia melhor e que sua condição estava melhorando, era apenas uma forma de parecer forte para não impactar a parte mental e as performances do seu filho e jogador da Team Liquid.

Mas apenas dois dias depois, logo após a Team Liquid celebrar sua grande vitória sobre a FaZe Clan, Paluh recebeu a notícia devastadora que seu pai havia falecido.

Apesar disso, Paluh subiu no palco ontem contra a TSM, lutou após estar perdendo por um mapa em um segundo mapa apertado vencendo por 8-7 e um tranquilo terceiro mapa para garantir uma vaga na Final da chave de baixo.

Agora, enquanto ele ainda processa tudo o que aconteceu, ele diz que dará o seu melhor pois é isso que o seu pai iria querer.

Ainda pior é o fato que isso não é a primeira vez que uma tragédia dessas o atinge, com sua mãe falecendo ano passado devido a um câncer, No dia seguinte, Paluh destruiu a MIBR no BR6 2020, terminando aquela MD2 com um rating de 1.70 com um KD de 29-11.

Sua história ecoa aquela de outros atletas como Charles Leclerc, que perdeu seu pai, padrinho e um amigo próximo. Assim como Paluh ontem contra a TSM, Leclerc venceu a corrida de Baku pela Formula 2 em 2017, apenas quatro dias após a morte de seu pai.

Na NFL em 1993, um dia após perder seu pai, Brett Favre lançou para um total de 399 jardas e teve quatro touchdowns também, uma performance dominante em todos os sentidos da palavra.

Junto com outro atleta profissional de esports Peter "dupreeh" Rasmussen que venceu o Major de Katowice de Counter Strike: Global Offensive dias após seu pai falecer.

As conquistas de Paluh são muito parecidas com aquelas de Favre, Leclerc e dupreeh, um exemplo brilhante de competidores superando adversidades pessoais imensas. E Paluh, assim como Leclerc, está longe de parar.

Amanhã, assim como Leclerc se prepara para uma pole no Grand Prix em casa, Paluh vai novamente subir ao palco. Ele irá primeiro enfrentar a MIBR e possivelmente avançar para enfrentar a NiP na Grande Final para levantar o troféu do Six Invitational, o que faria dele parte da primeira equipe brasileira a fazer isso.

Independente dos resultados, uma coisa está clara. Paluh se concretizou como um dos jogadores mais resilientes da história do Rainbow Six, com ele jogando não apenas para si mesmo e seu time, mas também para os seus saudosos pai e mãe.